Postagens

última criação

{universos paralelos}

aquele dia em que o sol
sem anúncio
entra pelas frestas das pálpebras
e é como se se abrissem
as janelas do tempo:

coloco os braços pra fora,
sinto o calor
me vejo deitada lá
à sombra duma árvore frondosa

uma forma de profecia
um pássaro com uma palavra

e o mar, sempre o mar
porque as águas,
segundo o dizer popular,
representam as emoções:

as águas com sal,
as emoções mais ressequidas e moças
é salmoura que se usa
pra limpar ferida

águo as dores
cato conchas
caligrafias nos cascalhos

_______________________________________

c(s)aio n(d)um sono profundo


II

aquele dia em que o sol
sem cerimônia
entra pela fresta da porta
e é como se se abrissem
as suntuosas janelas do tempo:

estico os braços pra fora,
sinto o calor
estou deitada lá
à sombra de árvores frondosas

a forma da intuição
o pássaro, palavra menina

e a chuva, sempre a chuva
porque as águas,
conforme a sabedoria bruta,
representam as emoções:

as águas pluviais
as emoções mais frescas e ancestrais
é rio que se usa
pra regar floresta

retorno aos regaços maduros de águas
resga…

{coisas insignificantes I }

hoje três abelhinhas vieram almoçar flores de manjericão no canteiro

{metalinguagem ou saturação}

o que é ser escritora?
tem a ver com viver (vir e ver) e tempo (o cozimento).
   há um tempo me sinto numa pausa, nada sai muito fácil, as palavras querem continuar dormindo enquanto o inverno não acaba.
   durante o inverno as palavras se esfriam - percebi - deixam de aparecer com frequência, querem dormir, descansar, sem qualquer tipo de incômodo ou cobrança.
   dormem para reganhar sentido, amadurecer significados (aquela coisa do tempo de preparo).
   no entanto, vez ou outra, algumas despertam brevemente, passeiam um tanto quanto sonolentas, e despretensiosas dão bom dia pra matar a saudade: a escritora se sente só sem suas sílabas, as chama pra sair, sem muito sucesso.
   por milagre, ou por simples passagem do tempo, certo dia o sol s(m)e esquenta despertando palavrinhas de prosa sincera, aquelas que não carecem de tantos descansos, forjas ou reencarnações, são sempre mais ou menos do mesmo jeito e pronto.
   para o meu espanto, essas são as mais compreensivas, por mostrarem que ce…

{recursos naturais}

contemplar as pedras
as águas
o vale

naturezas pairam no ar

algumas
reconheço de pronto
outras
me transpassam como antigos desconhecidos:
ar rarefeito.

nos olhos
a sede e o brilho das nascentes
que de tão cristalinas
me concedem
conhecer
os segredos
dos cursos
-ecossistemas -
os quais sustentam
e habitam seus líquidos

já é noite
fogueira acesa

eu e minhas brasas dançam
invocam movimentos
e cantos ante(s)passados:
rememorar os sagrados lamentos

uivo-grito de mulher-loba
que com diligência
caça em meio às suas próprias noites
evitando abismos alheios

[madrugada é sinônimo de silêncio]

emadrugada
busco novas palavras
e constelações.